Buscador Avanzado

Autor

Tema

Libro de la biblia

* Cita biblica

Idioma

Fecha de Creación (Inicio - Fin)

-

CONFIAR

Written by
Rate this item
(1 Vote)

Mal se ouve falar hoje da «providência de Deus». É uma linguagem que tem vindo a cair em desuso ou que se converteu numa forma piedosa de considerar certos acontecimentos. No entanto, acreditar no amor providente de Deus é uma característica básica do cristão.

Tudo brota de uma convicção radical. Deus não abandona nem se desentende daqueles a quem cria, mas sustenta a sua vida com amor fiel, vigilante e criador. Não estamos à mercê do acaso, do caos ou da fatalidade. No interior da realidade está Deus, conduzindo o nosso ser para o bem.

Esta fé não liberta de penas e trabalhos, mas enraiza o crente na confiança total em Deus, que expulsa o medo de cair definitivamente sob as forças do mal. Deus é o Senhor último das nossas vidas. Daí o convite da primeira carta de São Pedro: «Entreguem-lhe toda a vossa ansiedade, porque ele cuida de vós». (1 Pedro 5,7).

Isto não quer dizer que Deus «intervenha» nas nossas vidas como intervêm outras pessoas ou fatores. A fé na Providência caiu por vezes em descrédito precisamente porque foi entendida num sentido intervencionista, como se Deus se intrometesse nas nossas coisas, forçando os aconteciemntos ou eliminando a liberdade humana. Não é assim. Deus respeita totalmente as escolhas das pessoas e a marcha da história.

Por isso, não se deve dizer própriamente que Deus «guia» as nossas vidas, mas sim que oferece a sua graça e a sua força para que nós a orientemos e guiemos para o nosso bem. Assim, a presença providencial de Deus não leva à passividade ou à inibição, mas à iniciativa e criatividade.

Por outro lado, não devemos esquecer que, embora possamos capatar sinais do amor providencial de Deus em experiências concretas da nossa vida, a sua ação permanece sempre inescrutável. O que hoje nos parece mau pode ser amanhã uma fonte de bem. Somos incapazes de abarcar a totalidade da nossa existência; escapa-nos o sentido final das coisas; não podemos compreender os acontecimentos nas suas últimas consequências. Tudo está sob o sinal do amor de Deus, que não esquece nenhuma das suas criaturas.

Nesta perspetiva, a cena do Lago Tibeíades adquire toda a sua profundidade. No meio da tempestade, os discípulos vêem Jesus dormindo confiantemente no barco. Do seu coração cheio de medo brota um grito: «Mestre, não te importa que nos afundemos?». Jesus, depois de contagiar a sua própria calma ao mar e ao vento, diz-lhes: «Porque sois tão cobardes? Ainda não tendes fé?».

 

José Antonio Pagola

Tradutor: Antonio Manuel Álvarez Pérez

Publicado en www.gruposdejesus.com

Read 262 times
Login to post comments