Print this page

AS COISAS NÃO SÃO SEMPRE O QUE PARECEM

Written by
Rate this item
(2 votes)

A parábola é uma das mais claras e simples. Um pai aproxima-se dos seus dois filhos para pedir-lhes que trabalhem na vinha. O primeiro responde com uma negativa rotunda: «Não quero». Então ele pensa melhor e vai trabalhar. O segundo reage com docilidade ostensiva: «Claro que vou, senhor». No entanto, tudo permanece em palavras, porque não vai para a vinha.

Também a mensagem da parábola é clara e fora de toda a discussão. Diante de Deus, o importante não é «falar», mas fazer; o decisivo não é prometer ou confessar, mas cumprir a Sua vontade. As palavras de Jesus não têm nada original.

O original é a aplicação que, de acordo com o evangelista Mateus, Jesus lança aos líderes religiosos da sociedade: «Eu vos asseguro: os publicanos e prostitutas vão à vossa frente no caminho do reino de Deus». Será verdade o que diz Jesus?

Os escribas falam constantemente da lei: o nome de Deus está sempre nos seus lábios. Os sacerdotes do templo louvam a Deus sem descanso; as suas bocas estão cheias de salmos. Ninguém duvidaria que estão a fazer a vontade do Pai. Mas as coisas nem sempre são como parecem. Os cobradores de dívidas e prostitutas não falam a ninguém de Deus. Faz tempo que esqueceram a sua lei. No entanto, segundo Jesus, vão à frente dos sumo sacerdotes e escribas no caminho do reino de Deus.

Que podia ver Jesus naqueles homens e mulheres desprezados por todos? Talvez a sua humilhação. Talvez um coração mais aberto a Deus e mais necessitado do Seu perdão. Quem sabe uma compreensão e uma proximidade maior com os últimos da sociedade. Talvez menos orgulho e prepotência que a dos escribas e sumo sacerdotes.

Os cristãos, enchemos de palavras muito bonitas a nossa história de vinte séculos. Construímos sistemas impressionantes que recolhem a doutrina cristã com profundos conceitos. No entanto, hoje e sempre, a verdadeira vontade do Pai é feita por aqueles que traduzem em actos o evangelho de Jesus e por aqueles que se abrem com simplicidade e confiança ao seu perdão.

 

José Antonio Pagola

Tradutor: Antonio Manuel Álvarez Pérez

Publicado en www.gruposdejesus.com

Read 198 times
Login to post comments