Buscador Avanzado

Autor

Tema

Libro de la biblia

* Cita biblica

Idioma

Fecha de Creación (Inicio - Fin)

-

NÃO À GUERRA ENTRE NÓS

Written by
Rate this item
(3 votes)

Os judeus falavam com orgulho da lei de Moisés. Segundo a tradição, o próprio Deus a havia dado ao seu povo. Era o melhor que tinham recebido Dele. Nessa lei, está a vontade do único Deus verdadeiro. Ali podem encontrar tudo o que necessitam para serem fiéis a Deus.

Também para Jesus, a Lei é importante, mas já não ocupa o lugar central. Ele vive e comunica outra experiência: está a chegar o reino de Deus está chegando; o Pai está a procurar abrir caminho entre nós para criar um mundo mais humano. Não basta limitar-nos a cumprir a lei de Moisés. É necessário abrirmo-nos ao Pai e colaborar com ele para tornar a vida mais justa e fraterna.

Por isso, segundo Jesus, não basta cumprir a Lei, que ordena «não matarás». É necessário, também, arrancar da nossa vida a agressividade, o desprezo pelo outro, os insultos ou as vinganças. Aquele que não mata cumpre a Lei, mas se não se liberta da violência, no seu coração não reina, todavia, esse Deus que procura construir, connosco, uma vida mais humana.

Segundo alguns observadores, está a espalhar-se na sociedade actual, uma linguagem que reflete o crescimento da agressividade. Cada vez são mais frequentes os insultos ofensivos, proferidos apenas para humilhar, desprezar e magoar. Palavras nascidas da rejeição, do ressentimento, do ódio ou da vingança.

Por outro lado, as conversas estão frequentemente tecidas de palavras injustas que espalham condenações e semeiam suspeitas. Palavras ditas sem amor e sem respeito que envenenam a convivência e fazem mal. Palavras nascidas quase sempre da irritação, da mesquinhez ou da baixeza.

Este não é um acontecimento que se dê apenas na vida social. É também um grave problema no interior da Igreja. O Papa Francisco sofre ao ver divisões, conflitos e confrontos de «cristãos em guerra contra outros cristãos». É um estado de coisas tão contrário ao Evangelho que sentiu a necessidade de nos dirigir uma chamada urgente: «Não à guerra entre nós».

Assim fala o Papa: «Dói-me verificar como, em algumas comunidades cristãs, e mesmo entre pessoas consagradas, consentimos em várias formas de ódios, calúnias, difamações, vinganças, ciúmes, desejo de impor as próprias ideias à custa de qualquer coisa e até perseguições que parecem uma implacável caça às bruxas. A quem vamos evangelizar com esses comportamentos?». O Papa quer trabalhar para uma igreja em que «todos possam admirar como vos cuidais uns aos outros, como vos dais alento mutuamente e como vos acompanhais».

 

José Antonio Pagola

 Tradutor: Antonio Manuel Álvarez Perez

Publicado en www.gruposdejesus.com

Read 881 times
Login to post comments